É muito importante que sua estratégia – seja ela de blog posts, mídias sociais, links patrocinados, etc – continue. Os vídeos são sim a chave para manter e ampliar o engajamento com sua empresa, mas não são a única. Conteúdos mais completos e ricos ainda são melhor apreendidos em blog posts, por exemplo, onde a escaneabilidade dos dados durante a leitura é favorecida.
Há alguns elementos primordiais que devem ser observados antes de começar a trabalhar com audiovisual em sua estratégia de conteúdo. O primeiro deles é tempo de duração do material. Produza vídeos de, no máximo, dois minutos. O ideal é um minuto. A Wyzowl afirma que 50% dos consumidores afirmam que um minuto é o tempo que direcionam para assistir a um vídeo de Marketing de Conteúdo. São 33% os que afirmam que direcionam entre um minuto e dois; e 17% os que afirmam que não assistem vídeos que tenham duração de um minuto, pois consideram muito longos. A Wistia, plataforma profissional de hospedagem de vídeos, afirma que não há diferença significativa no envolvimento da audiência em vídeos que vão de 45 segundos a dois minutos.          
Video marketing é uma estratégia de Marketing de Conteúdo para que as empresas consigam atrair potenciais clientes e obtenham resultados positivos, como o aumento das vendas, a popularização de uma marca ou a fidelização de clientes, entre outras metas. Basicamente, trata-se de um tipo de vídeo que é feito exclusivamente para prender a atenção do público-alvo e, para isso, utiliza-se de diversos elementos de Marketing, como persuasão, demonstração de produto, tutoriais profissionais e muito mais.
Há uma pesquisa que mostra que o smartphone irá virar um implante, na pele, carregaremos esse wearable e ele será projetado. A questão do áudio é que ainda está sendo estudada. O Google Glass é um exemplo de como as transformações estão em andamento. Haverá cada vez mais mudanças no consumo de vídeo e elas estão ocorrendo muito rapidamente, de modo que não temos nenhuma estratégia. É testar enquanto ela está em desenvolvimento.
Con prólogo de Anthony Blake,  este manual podría resultar útil a aquellos interesados en mejorar la eficacia de la comunicación con sus clientes que derive en un aumento de sus ventas. El acto de vender, como necesidad en sí misma para todos a cualquier escala, es el epicentro de este texto de Marcos Álvarez que ofrece nociones de Programación Neurolingüística entre otras técnicas de marketing.
Ayer estuve en una jornada del CEEI de Elche sobre márketing digital, a cargo de Leonard Pera, autor del libro SOCIAL COMMERCE 100 CONSEJOS PARA VENDER EN INTERNET que va por la segunda edición. Fué una charla interesantísima sobre cómo hacer relevante en cada caso concreto toda la información de las redes, la importancia de la “escucha activa” y muchas cosas más. Me gustó su modo de dar la charla, sorprendentemente no usó soporte auriovisual para su exposición ;)…y para finalizar nos hizo una sugerencia: para vender online la honestidad es igual de importante que pen la venta física de un producto, si la base de nuestro negocio o producto no es buena estaremos siempre en peligro. Compraré el libro.
×